Toque de Mágica

  Sentei na areia e fiquei observando o mar. A solidão mais uma vez era minha companheira.
  Fechei os olhos e tudo pareceu diferente. Senti algo como uma mão a me acariciar. No impulso de ver quem era, abri os olhos e não havia ninguém por perto. Resolvi fechar os olhos novamente,  outra vez a mão invisível deslizou carinhosamente sobre meu rosto. O Sol dava impressão de que me abraçava, seu calor não era intenso, pelo contrário, me confortava. A brisa do mar beijava meu rosto e deixava no ar um perfume agradável. O vento parecia ter vida própria, cada sopro era um gesto. Os pássaros cantavam alegremente, o som das ondas e o silvo do vento formavam uma sinfonia celestial.
  Não sabia ao certo o que estava acontecendo só tinha uma única certeza: tudo aquilo me fazia muito bem. Embora sozinho, sentia alguém ao meu lado. Imagens surgiam em minha mente de alguém sorrindo. Quem era, de onde era? Tentava achar explicações e não conseguia. Depois de desistir de solucionar o inexplicável, uma voz calma e doce sussurrou no meu ouvido:
  - Estou trazendo o carinho que alguém dedica a você, essa pessoa não pode está fisicamente ao seu lado. Mas os sentimentos não estão restritos à presença física, eles voam com o vento, brilham com o sol e cantam com os pássaros. São seres viventes da natureza. Saem em busca daqueles a quem são dedicados. Onde você acha que foi parar o seu carinho por esta pessoa? Essa é a magia da vida, bem vindo a este mágico mundo onde podemos sentir sem sermos tocados...

Sinfonia Celeste

  Na dança das vidas, no bailar da eternidade, na leveza dos passos ao som da sinfonia celeste...
  O universo exalta em forma de música a certeza do encontro e do reencontro dos que se unem pelos laços do amor e pelos fios da afinidade.
  Uma canção de felicidade com letra de paz recheada de poesia, embalada pela doce melodia cósmica e pela voz silenciosa do Infinito.
  O hino que educa as mentes rebeldes e transforma crianças espirituais em músicos da orquestra da criação.
  As notas viajam pelo espaço levando o acalanto aos mundos. Carregam esperança, coragem, carinho e conforto. Não há ouvido capaz de ouvir, apenas os corações podem sentir o pulsar das galáxias.
  A sinfonia celeste nunca deixa de tocar, pois o AMOR é o seu Maestro.

Caminhos Internos

 
Caminhos novos se abrem, o espírito inseguro e receoso sente novamente seu coração apertar. O novo assusta e transforma o homem adulto em criança indefesa. O passado obscurecido pelo presente se faz sentir pelas marcas que deixou na alma.
  A vontade de seguir adiante e enfrentar os desafios de frente é mesclada com um sentimento de insegurança. Ora o peito de se infla de entusiasmo, ora a postura se encolhe de desânimo.
  A consciência batalha contra suas próprias fraquezas. A sensação de vazio e impotência cria uma guerra interior. O conflito interno enche o espírito de incertezas. Traumas do pretérito contrastam com suspiros de esperança.
  O espírito busca um refúgio, mas sabe que não encontrará paz enquanto a luta no seu âmago não cessar. Não há para onde fugir, ninguém foge de si mesmo...

Seguindo o Sol

     Inúmeras vezes fui fraco e tombei na escuridão dos meus erros. Cedi mente, inteligência e forças ao orgulho, à vaidade, ao egoísmo, à maledicência, ao ódio, à luxuria, ao medo...
  Por muitas vezes fui burro, prepotente e arrogante gritando aos quatro cantos do mundo que eu era o senhor de tudo que me rodeava. Tantos milênios de surdez e cegueira, séculos e séculos de estupidez e ridícula postura diante da Vida.
  Desci ao fundo do abismo da minha própria ignorância. Nadei em pântanos imundos, fui humilhado por muitos que fiz chorar. O sofrimento a mim imposto pelas minhas vítimas eram como um bálsamo se comparadas a dor de minha consciência... vislumbrei segundo por segundo todas as minhas selvagerias. Sofri dores morais atrozes, não há juiz mais cruel do a lucidez dos erros cometidos... Contudo, mesmo vendo-me como um ser deplorável, nunca fui abandonado por Aquele que dá vida aos vivos.
  Sem forças para levantar, recebi ajuda, fui chamado de irmão, recebi amor, afeto, carinho, atenção, cuidados especiais mesmo quando merecia ser esquecido pelo resto dos tempos! A luz que emanava daqueles corações me tirou das trevas e me fez enxergar toda sujeira e podridão existentes em mim. Jamais tinha sentido tamanha dor como a da vergonha e do remorso!

  Eu achava que ser forte era vencer todos os inimigos externos, que jamais deveria sentir compaixão ou perdão por ninguém. Entretanto, fui vencido por um poder muito maior, embora deveras sutil. Como o vento e a água que moldam a pedra bruta no decorrer das eras, assim está sendo comigo. Eu, o espírito, estou sendo moldado pelo amor do Pai-Mãe e dos Irmãos que acompanham meus passos.
  De meus olhos não saem mais fagulhas de ódio, mas rios salgados de gratidão. Um sal este que purifica minha alma, de dentro para fora, um banho de luz.
  No entanto, ainda continuo fraco e covarde, incapaz de brilhar como os Sóis que iluminam o caminho que percorro com passos titubeantes. Minha veste está encardida, preciso limpá-la na "lavanderia" das existências. Sigo tentando absorver as lições que me são oferecidas como ensejo de crescimento interior. Fui, sou e sempre serei o responsável pelos meus méritos e desventuras. Tenho muito que aprender, preciso perder o medo do amor.
  Já vivi nas trevas, hoje busco a luz. No espelho interior já não vejo a imagem do vulto disforme e obscuro, mas uma pequena e resoluta chama.  De cabeça erguida, sigo recompondo a minha estrutura, construindo a dignidade dos sonhos que aspiro, estou seguindo o Sol por que um dia quero brilhar!