Ecos da Eternidade


Cada segundo... tempo que corre célere
Sopro de vida
Ecos da Eternidade
Desencontros involuntários
Reencontros sob o véu do esquecimento
Dor que machuca um coração
Sorriso que enobrece a alma
Lágrimas como um rio correndo sobre a face
Semblante refletindo sonhos frustrados

Onde habita a Verdade?
No vento ou na chuva?
Na brisa ou no sol?
No céu ou na terra?

Sem rumo e sem destino
Sozinho num mar de gente
Aonde foi parar a alegria?

No silêncio surge a paz
A paz sem explicação
Nas sombras resplandece a luz
Lâmpada de amor e gratidão
Sem palavras e sem dor
Viver é um paradoxo lógico
O óbvio imponderável

Rosto do Invisível... o Infinito
Universo de possibilidades
Eternidade dentro de mim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário!